sexta-feira, 18 de setembro de 2009

Desmatamento ameaça Sítios arqueológicos pré-colombianos

A ação desenfreada de fazendeiros, garimpeiros e caçadores de tesouros, vem contribuindo para a depredação de uma das regiões arqueológicas mais ricas do norte do Brasil. A imensa área localizada no município de alta Floresta d´Oeste, estado de Rondônia, guarda importantes vestígios pré-colombianos como afirma o pesquisador especialista em Georreferenciamento Joaquim Cunha da Silva que estuda a região há mais de 30 anos. Segundo ele já foram encontrados no sítio vários achados arqueológicos como cerâmicas, estatuetas, oficinas líticas, além de uma série de geóglifos que foram indentificados pelo pesquisador. O interessante é que segundo esse estudioso, alguns desses geóglifos identificados são resistentes ao fogo com contorno caminho de Peabiru. A região do vale do rio guaporé tem sido explorada desde o século XVI pelos conquistadores espanhóis que buscavam no local a suposta localização da lendária cidade do Eldorado, um reino denominado Grão Paititi que seria um poderoso estado pré-colombiano situado em algum ponto da amazônia. Segundo o pesquisador as indicações do antigo mapa de Paititi conservado no museu Eclesiástico de Cusco apontam muitas coincidências geográficas com a região de Alta Floresta extremamente ameaçada pelo avanço das lavouras. Para mais informações visite a página eletrônica do pesquisador Joaquim Cunha da Silva- www.eldorado-paititi.blogspot.com




Fotos: Mapa do Paititi, Oficinas Líticas, Geóglifo com contorno Caminho de Peabiru, Geóglifo a Baleia e o Gato, esmeraldas-fonte Joaquim Cunha da Silva.

terça-feira, 15 de setembro de 2009

Eventos: São Francisco do Sul


No dia 14 de setembro o Grupo Manoa visitou o Museu Nacional do Mar na cidade de São Francisco do Sul onde foi realizado o Sarau Lítero Musical que teve como tema o "Caminho do Peabiru", durante o evento que contou com apresentações musicais, a escritora Rosana Bond lançou seu novo livro "História do caminho de Peabiru", resultado de 14 anos de pesquisa investigativa da autora sobre a extensa malha viária pré-colombiana. No local estiveram vários historiadores, pesquisadores e admiradores do antigo caminho que debateram sobre as novas descobertas que tem surgido nos últimos anos a respeito do Peabiru.

segunda-feira, 7 de setembro de 2009

Expedições- Barra Velha


Durante a expedição realizada no mês de setembro ao município de Barra Velha, o Grupo de estudos Manoa visitou um Sambaqui localizado nas proximidades do Parque natural municipal Caminho do Peabiru, o sítio que é um dos maiores da região e de imenso valor histórico, ainda foi pouco estudado. Já próximo a lagoa, o grupo investigou a localização do antigo cemitério de Barra Velha, também chamado pelos moradores de Cemitério dos Bugres, o Cemitério da Lagoa foi o primeiro campo santo de Barra Velha. Ele fica localizado à margem esquerda da lagoa e era utilizado até início do século XX por antigos colonizadores, pescadores e moradores das cidades vizinhas.Mais tarde o cemitério foi transferido para o centro de Barra Velha, mas apenas alguns corpos foram retirados e transferidos do local. O Grupo de estudos Manoa entende que a riqueza histórica e natural de Barra Velha deve ser estudada e preservada e agradece ao professor de História Juliano Bernardes por sua colaboração durante a visita de campo ao município.
Wlademir Vieira-Grupo de Estudos Manoa.
video

Expedições- Ilha das Canas- Setembro/2009



No mês de setembro o Grupo de Estudos Manoa voltou ao município de Barra Velha. A saída de campo teve como objetivo localizar e investigar alguns sítios históricos do litoral norte catarinense. Na praia do Grant visitamos a Ilha das canas, também conhecida por "Ilha do grant" ou "Ilha dos Canasvieira", identificada na década de 70 após escavações realizadas pelo padre arqueólogo João Alfredo Rohr como um "sítio raso de sepultamento". ( Rohr. J. A.-Sítios arqueológicos de Santa Catarina In Anais do museu de Antropologia da UFSC Florianópolis, ano XVI, n°17). Durante a pesquisa de campo, o Grupo Manoa identificou a presença de oficinas líticas no costão, e possíveis locais de sepultamentos no interior da ilha. De volta ao continente, visitamos o costão da "Pedras Brancas e Pedras Negras". A importância desse sítio geológico advém de sua antiguidade, estima-se que o curioso local onde se pode observar a divisão natural das cores das rochas tenha idade superior á 2100 milhões de anos. No local identificamos um conjunto de oficinas líticas que comprovam a importância científica e ecológica do afloramento rochoso. ( Grupo de estudos Manoa)
Página Seguinte » « Página Anterior Página inicial